Brasil

Sob suspeita, contrato de compra da Covaxin é suspenso pelo Ministério da Saúde

O contrato com a Precisa virou alvo de suspeitas de irregularidades após denúncia de um servidor da pasta, que diz ter sido pressionado para dar celeridade ao processo.

Publicada em 29/06/21 às 20:56h - 163 visualizações

por Atribuna SC


Compartilhe
Compartilhar a notícia Sob suspeita, contrato de compra da Covaxin é suspenso pelo Ministério da Saúde  Compartilhar a notícia Sob suspeita, contrato de compra da Covaxin é suspenso pelo Ministério da Saúde  Compartilhar a notícia Sob suspeita, contrato de compra da Covaxin é suspenso pelo Ministério da Saúde

Link da Notícia:

Sob suspeita, contrato de compra da Covaxin é suspenso pelo Ministério da Saúde
Sob suspeita, contrato de compra da Covaxin é suspenso pelo Ministério da Saúde. Foto: Barath Biotech  (Foto: Atribuna SC)


O Ministério da Saúde decidiu, nesta terça-feira, 29, pela suspensão temporária do contrato de compra da vacina indiana Covaxin. Em nota, a pasta justificou que a medida foi tomada por recomendação da Controladoria-Geral da União (CGU).

O contrato com a Precisa virou alvo de suspeitas de irregularidades após denúncia de um servidor da pasta, que diz ter sido pressionado para dar celeridade ao processo.

Segundo o Ministério da Saúde, a CGU não encontrou irregularidades no contrato, mas o Ministério decidiu suspender “por compliance para uma análise mais aprofundada do órgão de controle [CGU]”.

“Em relação ao contrato da vacina Covaxin, que tem sido motivo de discussões, eu tenho trabalhado em parceria com o ministro da CGU, esse assunto foi discutido, e por orientação dela, por uma questão de conveniência e oportunidade, decidimos suspender o contrato para que análises mais aprofundadas sejam feitas”, disse o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em entrevista hoje em Brasília.

O governo havia negociado a compra de 20 milhões de doses da Covaxin. No dia 16 de junho a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a importação da Covaxin e Sputnik V em caráter excepcional, mas com ressalvas.

Em nota, o Ministério ressaltou ainda que o Governo Federal “não pagou nenhum centavo pela vacina Covaxin” e que a medida “não compromete o ritmo da campanha de vacinação contra a COVID-19 no Brasil, já que não há aprovação da Anvisa para uso emergencial nem definitivo do imunizante”.





ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (47) 99901 1499

Visitas: 401024
Usuários Online: 13
Copyright (c) 2022 - Atribuna SC - "INFORMAÇÃO EM CIMA DA HORA" - LOCAL - NACIONAL - INTERNACIONAL